sábado, 1 de maio de 2010

Sem demérito à profissão de professor, mas o negócio mesmo é estudar pra tratorista

video

Recebi este vídeo, pelo orkut, da amiga dos tempos de 'pós', Ana Francisca. Tem a ver com o esfacelamento do plano de cargos e carreiras do magistério em Pernambuco. É claro que há servidores desestimulados, descomprometidos, no entanto, há muito trigo em meio ao joio. Senti-me, portanto, estimulado a veicular as imagens, com direito à trilha sonora, dos excelentíssimos deputados que votaram favoravelmente à política do governo Eduardo, ainda mais depois do que li, hoje, na seção CARTAS do 'imparcialDiário de Pernambuco.

O professor - da rede estadual - Carlos Bonifácio, no município de Ribeirão, fez o seguinte desabafo:

"Realidade da Educação

Sou professor do estado e estava dando uma aula na III fase do EJA que corresponde às 5a e 6a séries, o tema era a importância dos estudos na evolução profissional. Passei uma hora demonstrando tal importância, quando um senhor se levantou e disse: "licença professor, eu tenho apenas a 4a série e trabalho de tratorista na usina e meu filho viu que eu ganho mais do que vocês professores que estudaram tanto, me desculpe, mas o senhor é um exemplo que estudar não garante evolução alguma, e se o senhor tiver habilitação eu posso lhe arranjar uma 'oia' (trabalho) lá na usina. Bateu-me um misto de humilhação e desmotivação, não pelo convite, mas sim, em saber que ele estava certo. SOS Educação."

5 comentários:

  1. Criei uma tabela que postei no blog sintepeam.blogspot.com que mostra a realidade dos professores a partir de Junho. teremos por um exemplo um professor com Mestrado e 2o anos de profissão recebendo menos que uma merendeira analfabeta, nada contra as merendeiras; possivelmente estarão ganhando o justo.Você sabia disso? Então a cartilha de DUDU é a assim cobranças mil, valorização ZERO.

    ResponderExcluir
  2. Absurdo isso, hoje ser professor é se arriscar, pois as salas de aula não são como antigamente, os alunos já não respeitam os seus mestres e saber q estão recebendo menos que um tratorista é imoral!!!!!
    PROFESSOR AGORA TEM Q ARRAJAR UMA ÔIA, PRA SOBREVIVER MELHOR.

    ResponderExcluir
  3. Absurdo isso, hoje ser professor é se arriscar, pois as salas de aula não são como antigamente, os alunos já não respeitam os seus mestres e saber q estão recebendo menos que um tratorista é imoral!!!!!
    PROFESSOR AGORA TEM Q ARRAJAR UMA ÔIA, PRA SOBREVIVER MELHOR.

    ResponderExcluir
  4. Ou pior, o negócio é estudar pra ser tratorista de buldôzer, pra derrubar mangue e floresta. Esse sim é um emprego que prospera na gestão de "Edu Mau Campos" ou "'É' Motosserra".

    44 hectares de mata atlântica aqui (BR-408), 508 hectares de mangue ali (ecocídio de Suape), indefinida área de coqueiral acolá (construção de resorts no litoral sul)... O negócio de destruir vegetação vai de vento em popa no governo desse indivíduo!

    ResponderExcluir
  5. Eu sem bei disso, pois sou filha e mulher de professoras. É praticamente impossível nos dias de hoje ter uma educação íntegra.

    Veja o filme Freedom writers (Escritores da liberdade), é norte-americano, mas tem tudo a ver com a nossa realidade.

    ResponderExcluir